A História da Revolução Russa

 

 

 

Orlando Figes A tragédia de um povoTerra vasta, parcialmente habitada e com climas extremos e selvagens, a Rússia só pelo seu tamanho já teria sua importância garantida no cenário internacional. Mas não é somente isso: a Rússia tem uma história rica, repleta de invasões, tiranos e derramamento inútil de sangue. Uma parte dessa história é contada por Orlando Figes, em a Tragédia de um Povo.

Os livros sobre a história russa costumam se concentrar na revolução de 1917, pouco oferecendo ao leitor uma visão sobre a história do século XIX e início do século XX desse país. Figes vai aos primórdios do movimento revolucionário, e descreve muito bem as condições em que viviam os camponeses russos daquela época.

A Rússia foi um país que não viveu as transformações do renascimento e do iluminismo. A população camponesa ainda vivia na servidão, e o país não possuía uma filosofia desenvolvida o suficiente para colocar freios nos conspiradores e radicais. O analfabetismo era disseminado por todo o país, e a igreja ortodoxa não educava o povo, mas se preocupava muito em sustentar o poder dos czares corruptos. O cesaropapismo sempre foi a doutrina oficial da igreja oriental.

O imperialismo dos czares resultou em uma enorme quantidade de nações submetidas ao poder russo. Finlãndia, Polônia e Geórgia eram apenas alguns dos países que eram dependentes do governo autocrata russo. Os movimentos nacionalistas nesses países forneceriam alguns dos revolucionários mais perigosos do bolchevismo, mas o czar era surdo e cego em relação a essas nações.

O livro começa demonstrando que o que caracterizava o regime czarista era a ausência de controle. A ignorância e a superstição do camponês eram estimulados pela Igreja Ortodoxa, e o culto do czar era propagado pela direita, que teve dificuldade em perceber o surgimento de sentimentos nacionalistas. Apenas os socialistas abraçaram as idéias de autonomia e independência. A origem da agitação revolucionária estava nos movimentos de libertação nacionais.

O camponês russo era bárbaro, como fica claro no livro, e o burguês russo era ávido por filosofias que viessem do ocidente. Toda a novidade era rapidamente absorvida e consumida. A Rússia sabia do seu próprio atraso, e buscava tornar-se mais ocidental de uma maneira um tanto confusa. Figes descreve os costumes selvagens dos camponeses como denunciado por Tchekhov e Máximo Gorki, em contraste com a visão romântica de Tolstoi e Dostoievski.

Quando Marx chegou à Rússia, não havia uma teologia e ontologia que pudessem lhe fazer frente. A igreja ortodoxa sempre tinha se preocupado muito com o poder, mas havia sempre desconfiado da filosofia e teologia da igreja latina. A igreja católica preocupava-se muito com a razão e a filosofia, dizia a igreja ortodoxa. O resultado é que a burguesia e o povo não tinham em que se apoiar para sustentar uma luta contra o socialismo.

A revolução foi possível graças a uma combinação de desastres naturais( fome), um campesinato ignorante e abandonado pelo czar e uma burguesia que acolheu Marx com mais fanatismo e dogmatismo do que nenhuma outra nação.Podemos conhecer a história da fome de 1891, da revolução de 1905 e as revoluções de fevereiro e outubro de 1917

Enfraquecido primeiramente pela revolução de 1905 e pela guerra contra o Japão, o czar não soube aproveitar as lições desses acontecimentos para reforçar a democracia. A Rússia continuou sendo governada por grupos de interesse. Enquanto isso acontecia, Lenin, Trotsky e Stalin iam crescendo em suas retóricas e atitudes revolucionárias. O czar não sabia lidar com os camponeses, com os operários das fábricas e com os movimentos nacionalistas das nações satélites do governo czarista. No final do século XIX havia uma crescente desigualdade no campo, o que provocou uma migração em massa para as cidades. Essa mão de obra barata ajudou a tardia revolução industrial russa.O governo czarista ignorou a classe dos trabalhadores das fábricas, e isso seria decisivo para a queda do regime.

A revolução foi inevitável? sim, porque os soldados do exército branco nada tinham a oferecer em troca. Somente representavam o feudalismo e o antissemitismo do tempo do czar. Entre os brancos, muitos referiam-se aos revolucionários como agentes do judaísmo. A vitória vermelha foi justa.

A parte do livro que conta como foi o governo de Lenin não é tão boa quanto o livro de Robert Service, de mesmo nome. Há o relato dramático das negociações do tratado de Brest-Litovsk, que por pouco não destruiu a revolução.A parte que narra a guerra civil é muito detalhada.O exército reacionário dos brancos nada tinha a oferecer a não ser uma nostalgia pela velha monarquia, o ódio antissemita e a volta do feudalismo. O exército vermelho ainda teve que lutar contra a intervenção das potências estrangeiras e sua cruzada anticomunista, que tinha em Churchill ( sempre ele!) o seu maior entusiasta.

A importância que os comunistas davam à educação é enfatizada, assim como a revolução que Lenin levou ao campo através da NEP, como a introdução da eletricidade e de novas técnicas agrícolas. Figes não atribui tão claramente assim a fome de 1921 a Lenin e aos comunistas, ao meu ver isso é justo. Houve a intervenção estrangeira e uma guerra de sabotagem contra o governo central.

No geral, achei o livro equilibrado.É dado muito destaque à história do camponês reformista Sergei Semenov e a do escritor Máximo Gorki, que acabou se decepcionando um pouco com a revolução. Para uma narrativa mais simpática da vida de Lenin, recomendo a biografia de Robert Service. O autor também se mostra equivocado em relação a Stalin. Ele tinha muito mais educação do que Orlando Figes imagina.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: