Resenha de O Jovem Stálin, de Simon Sebag Montefiore

2061830_Ampliada

 

A vida do jovem Stálin é muito interessante
Jovem Stálin é um livro surpreendente e muito bem escrito. Começa com a história dos pais de Stalin e abre a possibilidade de que ele possa ter tido um outro pai. Graças à sua mãe-que era uma personalidade notável-, e contra a vontade de seu pai, Stalin conseguiu entrar para o seminário e receber uma ótima educação. Conta como ele perdeu a fé e o seu talento para a poesia- na verdade seus poemas eram muito bons, especialmente o poema para Rafael Eristavi.

Stalin foi um homem muito inteligente e talentoso, ainda mais quando comparado a Hitler, que não teve educação e era um artista fracassado.

A carreira como terrorista começou cedo, depois de trabalhar como meteorologista e em uma refinaria, onde provocou um incêndio criminoso.

Há o relato do encontro com Lenin, e mostra a importância que os roubos e ataques piratas que Stalin promovia eram importantes para financiar a revolução de Lenin. O caráter vingativo e traiçoeiro de Stalin são muito bem descritos.

Ainda existem os relatos das inúmeras escapadas de Stalin do exílio e de seus casos amorosos, que são muito interessantes, assim como a discussão se ele foi um agente czarista, o que o autor acaba negando.

O capítulo que narra o exílio de Stalin no ártico é um dos melhores do livro. Ficamos surpresos quando lemos como ele se adaptou bem às condições locais.

A parte final fala sobre a revolução de Outubro, e podemos ver a participação decisiva de Stalin, principalmente quando ele salva a vida de Lenin. O livro nos mostra como Stalin esteve com Lenin e os bolcheviques desde o princípio, ao contrário de Trotsky,que só se juntou a eles no final, e a quem Stalin odiou desde o início.

Montefiore deixa bem claro que Stalin estava muito longe de ser uma “mancha cinzenta” e como sua imensa capacidade de liderança estava presente desde o início de sua vida como revolucionário. Lendo esse livro ninguém mais irá perguntar como e por que Stalin chegou ao poder.

Sem dúvida, uma das melhores biografias que já li. Muito detalhada e o tema da revolução russa é um dos que mais me interessam.

***

A excelente biografia de Montefiore sobre a vida do joven Stálin foi uma revelação ao ocidente do início da carreira de um dos maiores ditadores do século XX. Stalin nasceu em uma famíla pobre; seus pais tinham uma relação conturbada pelo alcoolismo de seu pai, que queria que seu filho fosse sapateiro igual a ele, e não queria que fosse para a escola. Sua mãe, ao contrário, tinha uma personalidade estável, e fez de tudo para que seu filho estudasse em uma escola para padres. Como ela fez seu filho entrar para um seminário é contado no livro, e a explicação possível para isso é que Stalin fosse provavelmente filho de um padre local. Mas isso não pôde ser confirmado.

Stalin era um excelente aluno, e tinha uma voz muito bonita para o canto da igreja. Montefiore narra como o joven Stalin perdeu sua fé cristã e passou a se ocupar lendo literatura marxista. O ambiente do seminário era promíscuo e opressivo, e isso também contribuiu para que esse seminário gerasse toda uma geração de revolucionários ateus.

Stalin também era um poeta talentoso, e alguns de seus poemas são reproduzidos no livro. Ele poderia ter seguido a carreira de poeta se quisesse, pois levava jeito para a poesia. Stalin, nesse momento, porém, lutava contra um padre que o perseguia no seminário em busca de literatura “subversiva” que o jovem seminarista lia clandestinamente. Por causa de ter sido pego com esses livros, Stalin acabou expulso do seminário.

Depois desses acontecimentos, Stalin precisou conseguir um emprego para sobreviver. Teve um emprego inusitado: meteorologista. Esse emprego, no entanto durou pouco, e Stalin caiu na clandestinidade. Seu mundo era viver nas sombras, sem que ninguém soubesse de sua identidade.

Conseguiu um emprego em uma refinaria dos Rothschild, e lá, em pouco tempo, conseguiu provocar um incêndio criminoso para que esses famosos capitalistas do petróleo aceitassem às demandas dos trabalhadores.

As prisões

Stalin foi preso diversas vezes ao longo de sua juventude, mas conseguiu escapar na maioria das vezes com a ajuda de cúmplices dentro do sistema corrupto do czarismo. As prisões nessa época, ao contrário do tempo do comunismo, eram muitos frouxas em seu sistema de vigilância.

O encontro com Lenin

Em 1905, Stalin finalmente conseguiu encontrar-se com seu ídolo e chefe Vladimir Lenin na Finlândia. Stalin vinha há muito tempo se destacando como o principal responsável por conseguir fundos( dinheiro) para o partido. Vivia como um bandoleiro na Geórgia praticando o terrorismo e assaltos que conseguiram juntar uma quantidade impressionante de capital para o partido de Lenin.

Seria Stalin um agente czarista?

Montefiore escreve um capítulo sobre a possível ligação de Stalin com a Okhrana-a polícia secreta czarista. Esse capítulo é importante porque mais tarde historiadores da direita acusaram Stalin de promover o grande terror para encobrir o seu passado como agente do czar. O autor, porém, não conseguiu estabelecer essa ligação.

A prisão e o exílio siberiano

Stalin foi traído por um agente do czar infiltrado no partido bolchevique em um baile no qual tentou escapar usando roupas femininas. Não deu certo. Foi enviado para Turukhansk, no meio de uma região completamente desolada da Sibéria. Esse é o ponto mais interessante do livro. Stalin adaptou-se muito bem ao clima inóspito da Sibéria, e logo aprendeu a se virar para conseguir comida e sexo. Virou um caçador e tornou-se amante de uma mulher( na verdade uma adolescente) local. Dessa vez não conseguiu fugir e teve que cumprir a pena até o final em 1917, às portas da revolução.

A participação de Stalin na revolução de outubro.

Em março de 1917, Lenin voltou para São Petersburgo e para a Rússia após anos longe de casa. Essa cena da chegada de Lenin na estação ferroviária foi imortalizada na cena do filme Outubro, de Eisenstein. Lenin aproveitou o momento em que o czarismo estava agonizante após a humilhação e o esgotamento moral e financeiro provocados pela primeira guerra. Agora Lenin e Stalin poderiam trabalhar juntos. Lenin com seu carisma e liderança burgueses, e Stalin com seu profundo conhecimento da Rússia.

Nesse momento, Trotsky aproveitou para entrar para o partido bolchevique, e tornou-se a estrela do partido ao lado de Lenin. Mas isso era momentâneo. Stalin tinha uma rede de apoio na Rússia e na Geórgia que Trotsky não podia imaginar. Montefiore narra muito bem os acontecimentos da revolução, e como Stalin saiu das sombras para transformar-se no principal aliado de Lenin no poder. Fica muito claro a participação decisiva de Stalin para que Lenin pudesse sobreviver em momentos difíceis e como sua atuação nos bastidores revelavam sua personalidade e habilidade política.

A personalidade de Stalin

Graças à sua mãe, Stalin conseguiu ter uma ótima educação clássica, e desde cedo possuía um caráter de líder e uma autoconfiança que impressionava. Líder terrorista e eficaz para realizar assaltos que financiaram Lenin por muitos anos, Stalin só teve um único emprego durante sua juventude até a revolução. Sua atuação era nos bastidores e no mundo da ação, possibilitando a ele conseguir obter um profundo conhecimento da Rússia e da Geórgia, enquanto Lenin e Trostsky viviam sentados atrás de escrivaninhas longe da Rússia.

Sua personalidade e modo de agir lembram as recomendações de Maquiavel, entre elas de nunca possibilitar aos outros acumular poder acima do seu. Maquiavel diz que quem cria poder para os outros causa a própria ruína. Foi isso que Stalin fez, não em relação a Lenin, mas contra Trotsky. Stalin possuía um caráter forte, maquiavélico, cruel e ambíguo, o que leva em alguns momentos o leitor se identificar e até gostar dele, como o próprio Montefiore parece gostar, às vezes.

Não podemos nos esquecer que apesar de Stalin ter sido um vencedor, pois foi ele quem derrotou os nazistas e Hitler, foi esse mesmo Stalin o responsável por uma matança impressionante de seu próprio povo e da população da Ucrânia. Stalin não era um seguidor de Maquiavel em um ponto: a de que a crueldade deveria ser feita de uma vez só, sem perseverar nela durante muito tempo. Essa era uma lição que Stalin não aprendeu.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: