Análise das Pinturas de Bruegel

Bruegel

A beleza das paisagens e da vida camponesa
Sabe-se pouco sobre a vida de Pieter Bruegel, mas a genialidade e beleza de seus quadros é indiscutível.

Vamos analisar alguns de seus principais quadros.

 

 

Brueghel-tower-of-babel

 

 

A torre de babel é de um detalhamento assombroso. Podemos ver os operários trabalhando e os guindastes erguendo as pedras da construção, que nos dá uma amostra da tecnologia da época.  “Nesses quadros, Bruegel mostra as obras de construção não como um acontecimento longínquo, mas como um empreendimento contemporâneo. O fato da pintura retratar a Torre perto de um rio é porque Brugel sabia que o transporte de grandes mercadorias como as pedras eram feitas por via fluvial. A Torre é o símbolo cristão de orgulho.”¹

 

 

 

brincadeiras-bruegel

Brincadeiras de crianças nos mostra como era ser criança na época do Renascimento. Ali estão representados diversos brinquedos da época, mas as crianças são pintadas como mini-adultos, como era a visão daquela civilização.” Crianças não eram tidas como importantes para a arte ocidental nem para o pensamento ocidental.”Podemos interpretar esta obra como um aviso para que os adultos não desperdicem a vida como se fosse uma brincadeira de criança.”²

Uma outra interprtação é que esse quadro demonstre um início de preocupação pela criança. A infância nasce com o surgimento dos livros impressos, pois esse fato gerou a necessidade de uma educação em um ambiente escolar para as crianças do período, segundo Neil Postman em sua obra O Desaparecimento da Infância. Como na Idade Média não havia separação entre o mundo adulto e o mundo infantil, com o surgimento do livro impresso e da escola, o despertar da criança foi possível.

 

 

pieter-bruegel-the-elder_netherlandish-proverbs_

 

 

Os provérbios holandeses é o seu quadro mais famoso. São mais de 100 provérbios ali representados e pintados como uma técnica que impressiona. Na Idade Média, boa parte da educação popular era feita pela memorização de provérbios, já que as escolas eram raras. ” A maior parte dos provérbios retratados por Bruegel reproduz cenas de atitudes insensatas, e demonstram o olhar céptico do pintor sobre seus contemporâneos.”³

 

Jan-Bruegel-The-Elder-The-Triumph-of-Death

 

 

Em o triunfo da morte a paisagem é desolada; a morte segue seu caminho levando embora com ela todos os personagens da paisagem. Ninguém consegue escapar dela. No tempo em que Bruegel vivia, a vida era muito instável e a morte poderia vir a qualquer momento. ” No século de Bruegel, explorou-se a superfície da Terra, desenhou-se um novo mapa do céu, estudou-se o corpo humano e catalogou-se o mundo animal e vegetal. Apesar de todos esses avanços científicos, os homens daquela época também acreditavam que os demônios também faziam parte da natureza.Atribuíam fenômenos celestes, malformações, doenças e epidemias à influência do Diabo. O século XVI foi o século da caça às bruxas.” 4

 

Pieter-Bruegel-The-Younger-The-Census-at-Bethlehem

 

 

O seu quadro recenseamento em Belém retrata as figuras bíblicas da virgem Maria e São José que passam quase despercebidas. Ao fundo as crianças brincam na neve com um pião e um trenó. Maria, vestida de túnica azul, com José à frente, caminham em uma paisagem rural. ” Aparentemente a cena não parece de um recenseamento, mas sim a de cobrança de impostos. A águia de duas cabeças dos Habsburgos, que aparece sobre o brasão ao lado da janela, mostra por conta de quem se agia.”5

 

 

 

Caçadores na neve

 

Na sua linda pintura os caçadores na neve são exibidas figuras de preto, o que dá um contraste magnífico com o branco da neve. “As sombras faltam, o Sol já se pôs ou está mascarado por uma espessa camada de nuvens. A neve cobre o solo e a vegetação rasteira, em último plano erguem-se os cumes gelados. Duas cores frias dominam o quadro, o branco da neve e o verde azulado pálido do céu e do gelo. Tudo o que é vivo é representado por uma cor escura, o que reforça a ideia de desolação.” 6 Nessa pintura alguns cientistas puderam ter a prova do início de uma pequena idade do gelo que começou no século XVI.

Peter Bruegel, A Ceifa do Feno, c. 1565

 

 

 

 

Bruegel foi um grande pintor dos meses e estações do ano. Em a ceifa, podemos ver a colheita do trigo, com alguns homens e mulheres comendo e outros dormindo. O dia está claro e a paisagem exibe tranquilidade.” Aqui a gama de tons é mais rica. O branco só é usado para o cavalo e as roupas. Para representar o verão, Bruegel desenha uma paisagem variada com colinas e vales. Ele serve-se de personagens para caracterizar as estações: os caçadores fatigados, de ombros caídos, voltam as costas ao espectador- três jovens apanhadoras de ervas caminham em um passo alegre sob o olhar de quem vê o quadro. Se juntarmos o grupo das mulheres e dos transportadores de cestos, somos quase tentados a pensar em uma figura de dança.”7

Pieter-Bruegel-The-Elder-The-Gloomy-Day

 

 

 

 

Essa tranquilidade está ausente no seu quadro O Dia Sombrio. O inverno chegou, as nuvens são ameaçadoras e o mar está agitado.” Esse mês representa o carnaval em Fevereiro. Dois homens cortam e atam em feixes os rebentos de salgueiros, uma atividade típica do inverno. Um deles usa uma coroa de papel, que alude à festa da Epifania.”8

 

Casamento

 

 

A vida camponesa é mostrada em A Ceia de Casamento, que é um dos primeiros quadros que mostram pessoas comuns comendo com uma volúpia que era evitada nos quadros da época. Na Idade Média, a comida era tida como algo de uma importância que o homem moderno não consegue imaginar. Os banquetes eram tidos como um um acontecimento que todos tinham que participar. Os alimentos eram escassos em uma época de fome. Crianças e adultos se misturam nessa cena. A crescente separação entre o mundo infantil e o mundo adulto ainda levaria séculos para se impor entre os camponeses.

Bruegel sofreu óbvia influência de Hieronymus Bosch. Nos quadros desses dois artistas a ordem do universo e da natureza são invertidas e nada parece ser o que é. O mundo parece dominado pelo mal, a morte e o Diabo. Em termos de beleza, técnica e originalidade, eu creio que Bosch foi um pintor superior. Esses dois pintores são para quem gosta como eu desse mundo do fim da idade média e seus costumes e mentalidades.

Fonte: Bruegel- Obra completa de pintura.  Rose Marie e Rainer Hagen. Taschen, 1995

1. pág 17.

2. pág 33.

3. pág 34.

4. pág 39.

5. pág 47.

6. pág 63.

7. Ibid

8.pág 65.

Comments

  1. Radamés says:

    Olá. Eu estou fazendo um trabalho de bruegel. Você teria esse livro dele da taschen em português ou pdf? Necessito urgente, mas não encontro. Se fosse possível compartilhar.

  2. Radamés says:

    Ou se fosse possível enviar o pdf do livro para meu email. Agradeceria bastante.
    Radamesdesousa@hotmail.com

  3. Maria Helena says:

    Olá Felipe! Você fez ótimas escolhas. Também amo e já li alguns dos filósofos de sua preferência e outros mais. Amo a filosofia e as pensadores que fogem do ‘senso’ comum ou falta de senso. Sou formada em Direito, Pedagogia e estou cursando Artes Visuais, mas relutei na escolha entre o estudo de artes e a minha paixão eterna que é a filosofia. Parabéns por sua análise sobre as obras do Bruegel e por compartilhar.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: