Resenha de O Desaparecimento da Infância, de Neil Postman

Desaparecimento da infancia

 

O fim da mais bela das invenções do Renascimento: a infância
“Crianças são mensagens vivas que enviamos a um tempo que não veremos” Neil Postman

Esse livro profético, escrito originalmente em 1982, constatava já nessa época o fenômeno do surgimento da criança-adulto e do adulto-criança. Postman faz uma viagem na história, em um tempo em que,segundo ele, a infância não existia. Os gregos foram os que chegaram mais próximos do conceito de infância na antiguidade, pois eles eram apaixonados pelo tema da educação infantil, e personagens como Platão acreditavam que a virtude pudesse ser ensinada nas escolas. Os romanos, seus sucessores, também chegaram próximos à ideia de infância. Como observou Neil Postman, Quintiliano possuía uma das crenças fundamentais para que a infância possa existir, ou seja, ele acreditava na noção de vergonha, e que algumas informações e comportamentos deviam ser ocultados à criança.

No entanto, depois de haver chegado próximo a criação da infância no mundo Greco-romano, tudo isso desapareceu, segundo Postman, no início da civilização medieval. Essa tese do autor que vou apresentar agora merece algumas críticas. Vou fazê-las no final da resenha.

Postman observa que com o quase desaparecimento das escolas e da alfabetização, a criança no mundo medieval já era considerada adulta aos 7 anos. Segundo o autor, com a escassez dos livros nessa época, o conhecimento era obtido por meio da comunicação oral nas praças, locais esses em que adultos e crianças compartilhavam as mesmas notícias sobre mortes e guerras, assim como as mesmas músicas e contos de fadas.

Em um mundo em que a palavra impressa é rara, crianças e adultos compartilham as mesmas histórias e os mesmos segredos. É de se notar que um fato dessa época que acontecia em alguns casos era que as crianças eram expostas à sexualidade dos adultos, pois a noção de vergonha e pudor ainda não estava plenamente estabelecida na idade média.

Quando, portanto, a ideia de infância apareceu? A resposta , segundo Postman, é que a infância surge quando Gutenberg inventa a prensa móvel, porque é nesse momento em que os livros tornam-se acessíveis à população. A noção de individualidade e o acesso ao conhecimento aparecem com força. Os segredos da natureza, da ciência, da medicina e da teologia podiam a partir daquele momento entrar na residência de todos os que soubessem ler. Ao mesmo tempo, manuais de comportamento e de etiqueta surgem, criando definitivamente a noção de vergonha e pudor na população, especialmente nos jovens.

Mas o mais extraordinário é que o livro oculta dentro de suas páginas os segredos da vida adulta, especialmente o sexo. A partir desse momento, as crianças para terem acesso aos mistérios da vida adulta, precisarão ir para a escola para passarem pelo processo de alfabetização. O menino e a menina de escola então surgem, assim como a crença de que as crianças até os 17 anos devem ser separadas dos adultos, sendo criadas nos ambientes protegidos das escolas.

No século XVII surge uma verdadeira noção de infância. Aparecem nesse momento as roupas infantis e os escritores especializados em histórias para crianças. Um filósofo que ajudou muito a consolidar essa teoria sobre a infância foi John Locke. Como percebeu Neil Postman, Locke, assim como Freud mais tarde, estabeleceu a questão da repressão psíquica, e criou também o conceito de Tábula Rasa( folha em branco), e com isso jogou aos pais uma enorme responsabilidade pela criação dos filhos, fazendo com que os pais passassem a sentir um enorme sentimento de culpa pela sua educação.

Agora Postman explica o porquê do desaparecimento da infância. A sua tese aqui é mais convincente do que sua opinião sobre a história medieval. Ele argumenta que com o aparecimento da televisão, os assuntos mais delicados, que antes eram interditados às crianças, como o sexo e a violência, foram a partir daí lançados aos lares de todas as famílias, sem que elas nada pudessem fazer para oferecer resistência.

Postman vê na televisão e suas reportagens e programas que falam sobre todos os assuntos, uma volta à situação medieval, na qual as crianças eram expostas a todas as conversas dos adultos. Como naquela época, segundo Postman, uma criança de 12 anos que cresceu vendo televisão várias horas por dia já sabe tudo sobre violência, doenças, sexo e alguns outros temas que antes eram vetados às crianças, como a política. No mundo da tipografia, sem que houvesse a televisão, esses assuntos eram mantidos longe das crianças, pois estavam codificados nos livros e proibidos nas conversas das famílias.

Para que uma criança antigamente pudesse ter acesso ao mundo dos adultos, eram necessários vários anos na escola, de forma que os professores e os pais ensinavam sobre política e os segredos do sexo aos poucos, proporcionando à criança a ao jovem acesso aos livros sobre esses assuntos de acordo com a sua idade e progresso na escola.

Postman não fala sobre a internet em seu livro, porque ela ainda não havia sido inventada, mas em uma rápida análise que pode ser feita pelos pais atuais dessa geração da internet, observamos que com apenas alguns cliques e palavras, a criança e o jovem podem obter acesso rápido aos temas do mundo adulto, como o sexo, o adultério, a violência, a corrupção, assim como as aberrações que existem nesse mundo. O resultado disso é que as crianças e os adultos partilham da mesma realidade de sonhos e pesadelos, fazendo nascer a criança que se torna adulta precocemente, assim como o adulto que nunca cresce, tornado-se infantilizado por toda a vida.

***

Apesar de algumas das observações de Postman serem verdadeiras, especialmente sobre a importância da invenção de Gutenberg, ele se equivocou sobre alguns pontos da história, e vale a pena alguns esclarecimentos.

Sobre a história antiga e sua relação com a infância, é de se perceber que Platão, Aristóteles e os romanos buscavam a educação de uma elite apenas. Jamais os gregos e os romanos buscaram educar o povo, pois a educação na antiguidade sempre teve um caráter iniciático. O sistema escolar e as universidades surgiram na tão denegrida idade média de Postman, época na qual a informação foi oferecida a todos, e que baniu o ensino de caráter iniciático da antiguidade.

Postman foi influenciado por um certo anticatolicismo, e isso faz com que ele não perceba certas contradições em seu livro. Seu conhecimento de história é superficial, porque é fato conhecido de todos que o infanticídio era amplamente praticado na antiguidade. Postman cita em seu livro que o infanticídio foi proibido no século IV, mas omite que essa lei foi feita por pressão da igreja católica. Foi a idade média que protegeu a infância criando os orfanatos, desconhecidos na antiguidade, da mesma forma como proibiu o aborto e o infanticídio. Gutenberg e os renascentistas são herdeiros da civilização medieval. A antiguidade e também o mundo moderno é que são hostis à ideia da infância, pois no momento em que a vida da criança perde seu caráter sagrado, com a prática do aborto e da morte e abandono dos bebês, é que a infância não pode mesmo existir.

Comments

  1. acoplador says:

    Reblogged this on " F I N I T U D E ".

  2. Jakson says:

    Chequei ao seu texto através de uma matéria reeditada da Superinteressante!! Muito boa a sua análise quanto ao livro de Postman!

  3. Jakson says:

    *Cheguei

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: