Resumo da Filosofia de Jean-Jacques Rousseau

rousseau

A filosofia de Rousseau pode ser definida assim:

Rousseau era antes de tudo um filósofo especulativo, que criou um sistema contraditório, e tentou ser uma perversão do dogma católico do pecado original. Para ele, o homem nasce naturalmente bom, no mesmo estado de graça do casal original da Bíblia, mas se a Bíblia afirma que a curiosidade do homem em provar do fruto da árvore do bem e do mal foi a causa da sua queda, Rousseau atribui a tendência do homem para o mal à vida em sociedade. Rousseau não apresenta provas da sua tese, e suas teorias perigosas começam aí.

Rousseau identifica o mal com a necessidade que o homem tem de criar novas necessidades, que são fontes de outras privações; com a desigualdade, que é fruto da propriedade privada; e com a escravatura, mesmo no sentido do rei absoluto.

Rousseau inverte a filosofia Tomista que havia declarado que a natureza humana é boa no sentido metafísico, mas não no sentido histórico. O homem para São Tomás não é bom no seu começo. Rousseau confunde natureza metafísica com o sentido histórico, dizendo que o homem é bom em sua origem histórica, e que a pureza foi concedida a ele por Deus, sendo necessária a sua volta.

Na teologia católica, o homem nasce livre em sua razão, mas sua ação fica limitada pela vida em sociedade; já em Rousseau, a liberdade é um ato puro e perfeição pura de humanidade. Na filosofia católica, os homens em sua natureza individual não são iguais de maneira alguma. A cada um Deus concedeu dons variados de inteligência e na ordem da Graça. Quanto à justiça, os homens são iguais perante à lei, mas a cada um cabe um tipo de pena adequado à seu crime, nesse ponto a justiça deve ser desigual. Na filosofia de Rousseau, a igualdade deve ser imposta pelo Estado de uma maneira absoluta para compensar as desigualdades sociais.

A Política e o Estado em Rousseau

Aqui entra suas ideias de contrato social e da Vontade Geral. O homem é livre, e é proibido renunciar a essa liberdade. Mas Rousseau prega que a família e as corporações são um crime, dessa forma só existe o indivíduo. A Vontade Geral é aquela que propõe o bem comum, e faz surgir um novo ser que é muito bom: o deus-Estado.

Como a Direita e a Esquerda herdaram às ideias de Rousseau

O surgimento do deus-estado é fruto do pensamento da maioria, sendo que essa maioria nas assembleias manifesta a Vontade Geral; cabe, portanto à minoria reconhecer que errou e deve se submeter à maioria. O indivíduo quando reconhece que é a minoria e errou, sacrifica sua liberdade individual, dessa forma todo o interesse individual desaparece, e consequentemente todas as desigualdades sociais. Mesmo com o estatismo, a liberdade, para Rousseau, permanece inalterada.

Como notou Bertrand Russell, Hitler é fruto de Rousseau. Stalin também, mesmo que o filósofo inglês não tenha dito isso.O povo é bom, mas precisa de um líder que o esclareça. A vontade geral é a única fonte da lei, do bem e do mal, do certo e do errado. Se a maioria, por exemplo, declarar que o aborto é bom, e não um crime, isso é lei, e para Rousseau, os que são contrários a essa decisão devem ser separados da sociedade, e em último caso, até mortos.

Quem governará a cidade? Será o guia, responde Rousseau, que deverá ser um super-homem, que irá transcender a natureza humana para aperfeiçoá-la.

Esse resumo da filosofia de Rousseau pode ser aplicado tanto a alguns esquerdistas, como alguns direitistas da nossa época. Eles não toleram a existência de uma oposição; todos devem se submeter à sua vontade, inclusive a assembleia e o judiciário. Existe a necessidade do guia que conduza o povo, e esse deve ter características messiânicas. Daí esse culto irracional que  existiu como continua a existir a tantos líderes do mundo moderno.

Bibliografia: F.J. Thonnard, Compêndio de História da Filosofia.

Sobre o Contrato Social

Contrato Social

” Como encontrar uma forma de associação que defenda e proteja com toda a força comum a pessoa e os bens de cada associado,m e pela qual cada um, unindo-se a todos, só obedeça, no entanto a si mesmo, e permaneça tão livre quanto antes?”

Rousseau responde a essa pergunta com a defesa do contrato social, no qual o próprio Rousseau estabelece as regras. Desse contrato estão excluídos a escravidão mas também o individualismo, pois a vontade individual deve submeter-se à vontade da maioria. O filósofo suíço estabelece uma diferença entre a vontade de todos e a vontade geral, sendo que a primeira diz respeito ao interesse privado e a segunda ao interesse comum. O conceito de vontade geral já foi posto em prática em certos países.

Um exemplo é a Venezuela de Hugo Chávez. Como diz F.J.Thonnard, a vontade geral de Rousseau cria uma espécie de deus-estado, sendo que a maioria absoluta nas assembleias manifesta a Vontade Geral, e indica o erro da minoria, que deve obedecer à vontade da maioria. Foi o que aconteceu na Venezuela, onde, baseando-se em uma vontade do povo por um líder que lhes mostrasse o caminho da salvação, Chávez submeteu a oposição e o judiciário à sua vontade, pois inspirado por Rousseau, acreditava que o cidadão deveria abdicar da liberdade individual, dessa forma o interesse particular desapareceria, assim como as desigualdades. Isso foi contra a moral de Kant, pois ele acreditava que ninguém deveria se submeter ao conceito de felicidade e projeto de vida do Estado.

Rousseau, ao contrário de Hobbes, dizia que o governo não está estabelecido para evitar a guerra de todos contra todos, mas que o governo ” é um corpo intermediário estabelecido entre os súditos e o soberano para sua mútua correspondência, encarregado da execução das leis e da manutenção das liberdades, tanto civil quanto política.”

Sobre o famoso Contrato Social, quem lê o livro ficará decepcionado porque Rousseau fala pouco sobre ele. No fim do livro ele quase que delira em atacar a Igreja Católica. Parece que ele escreveu toda a parte anterior sobre o contrato apenas para, no fim, destinar sua arenga contra a igreja. O livro é muito ruim e sua tese na verdade só pode ser abraçada por tiranos.

Comments

  1. amanda says:

    muito boa gostei muito me ajudo muito na minha redação da escola

  2. uiszileny oliveira says:

    filosofia e tudo ;;;e uma materia muito importante em nossas vidas

  3. eu achei muito importante a filosofia de hoje e de senpre

  4. Caroline says:

    Adorei seu site, muito bom de verdade!

  5. seu site me ajudou muito no meu seminário de historia
    obrigado

  6. Jonatas says:

    Sou Acadêmico de do Curso Filosofia, estou com proposito de realizar o TCC com base no conceito de historia em Rousseau…vc teria alguma sugestão de leitura???!!!

  7. Marcos Paiva says:

    Muito bom e esclarecedor, professor! Parabéns!

  8. foi com muito prazer ter lido essa obra do Rosseau. Obrigado!

  9. Bruna says:

    gostei muito das informações.

  10. thalita jamila says:

    adorei o site me ajudou no trabalho da escola……….

  11. André Marcos says:

    comecei a entender política, quando li contrato social.

  12. vania de jesus santos says:

    gostei de ler esse texto

  13. me ajudou no meu trabalho de filosofia do colégio ! 3 grau do ensino médio , obrigado !

  14. Tatiane says:

    qual e a concepçao de aluno defendida por Rosseau

    • Como ele acredita que o homem é naturalmente bom, o modelo de educação defendido por ele pretende ensinar à criança e o jovem mantendo-os o máximo possível no estado de natureza.

  15. aurelia gomes da silva barbara says:

    qual a concepção de escola e sua síntese de teoria

  16. Marcos Martins says:

    Parabéns pelo texto (Também não consigo concordar com a filosofia de Rousseau).

  17. Eliseu Serafim says:

    Me permita discordar professor, mas não achei, em nada do que li sobre o filósofo, algo em que pudéssemos imputar ao mesmo alguma predileção tirânica à eliminação de minorias ou de dissidências à vontade da maioria. Quanto ao exemplo de Hugo Chaves, penso que naque país existe uma disputa brutal pela hegemonia política nos espaços de poder. neste mesmo momento alguém na Venezuela pode estar digitando, livremente, algo sobre o governo, que coadune com o pensamento mais raivoso da direita brasileira. Faz parte da democracia, tanto aqui como na Venezuela, exercermos o direito de expressar nossas ideias. Já tivemos no Brasil, na década de 90, um mesmo pensamento hegemônico, detentor do poder político, do poder econômico e do poder ideológico, o que, na prática, deturpava a ideia de Estado democrático defendida por Montesquieu. Naquele tempo, eu e outras pessoas insurgíamos contra uma conjuntura que nos era completamente desfavorável; também fomos reprimidos fisicamente pelo Estado, poder político, bem como moralmente ridicularizados, pelo poder ideológico. Contudo, nunca considerei, nem o Brasil daquela época, nem a Venezuela de hoje, Estados tirânicos. Espelham estes Estados a vontade da maioria do seu povo em conjunturas históricas diferentes. Democracia não é um monopólio da direita. Um grande abraço. Professor Eliseu.

  18. Muito obrigada me ajudou bastante

  19. stella says:

    Excelente texto. Muito claro, objetivo e ainda faz um paralelo com outros filósofos. Parabéns Felipe.

  20. Luuan says:

    qual a conjuntura historica da epoca ?

    • Rousseau era um romântico e foi talvez a grande inspiração para os revolucionários franceses. A mentalidade da época do Iluminismo inaugurou a mania de denegrir a civilização Ocidental ao mesmo tempo em que se exaltava o Islão, os indígenas, entre outros.

  21. Porque para Rousseau a liberdade é um ato puro e perfeição pura de humanidade?

    • Rousseau acreditava que a liberdade era um fim em si e que todo ser humano nascia livre, mas como está nesse resumo, essa liberdade, no Cristianismo, só pode existir na atuação da razão, nunca no nível da sociedade.

  22. Marcello Silveira Filgueiras says:

    Estava indo muito bem até: “Quem governará a cidade? Será o guia, responde Rousseau, que deverá ser um super-homem, que irá transcender a natureza humana para aperfeiçoá-la.”

    Não exatamente, Rosseau deixa claro no “Do Contrato Social” que a aristocracia eletiva (aristocracia no sentido de governo de poucos agentes do governo, nao de elitismo, e eleita por voto) é a melhor forma de organizar o governo, que na prática é a democracia indireta, apesar de falar que a Monarquia(governo de um magistrado só) deve ser util somente para os estados grandes. Ele inclusive critica a tirania.

    Mas de fato, como vc falou, Rosseau defende que as pessoas que nao sejam a favor do Contrato Social sejam retiradas da sociedade, e o que for defendido pela vontade geral, tem razão. Isso pq ele ve o estado de forma idealizada, como uma associação de individuos totalmente voluntária.

  23. robson pessoa says:

    Muinto esclarecedor.

  24. Gabriela Grando says:

    Ótimo texto! Me ajudou muito com um trabalho de Filosofia do 2º ano do EM!!! Porém tenho uma dúvida: O que a teoria de Thomas Hobbes diz é, exatamente, o contrário da de Rousseau, ou possui apenas características opostas semelhantes?

    • Hobbes era pessimista a respeito do estado de natureza; Rousseau era profundamente otimista. Ambos, no entanto, eram autoritários. Hobbes abertamente; Rousseau de maneira dissimulada. Em uma democracia moderna não há de maneira alguma uma ” vontade geral ” que não envolva algum tipo de autoritarismo. As concepções de bem e liberdade diferem muito entre os grupos. Recomendo que você leia Uma Teoria da Justiça, de John Rawls.

  25. Manoel Amaral says:

    Simplesmente acuido

Trackbacks

  1. […] Resumo da Filosofia de Jean-Jacques Rousseau […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: