Resenha: Antígona, de Sófocles

Antigona2

 

Antígona é uma peça que fala sobre o dever que o ser humano tem para com Deus que é anterior àquele que tem para com o Estado. A personagem principal, Antígona, quer enterrar de maneira digna e de acordo com a religião o seu irmão Polinice; porém, essa atitude contraria às ordens do rei Creonte, o qual havia determinado que o corpo de Polinice deveria ser exposto às aves do céu e aos cães na terra. Antígona fica sabendo da determinação de Creonte e grita: “Ele não tem o direito de me coagir a abandonar os meus!” Com esse grito, ela resolve ir contra as ordens do rei de Tebas.

Antígona sepulta o irmão, mas é detida pelos guardas de Creonte, que havia dado ordem para que observassem se alguém iria ter a audácia de enterrar Polinice. Ela é levada até a presença do rei, e esse a interroga para saber qual o motivo dela ter agido com tamanha coragem contrariando uma determinação do próprio rei. É aí que está a principal questão a ser debatida não somente nessa peça mas ao longo da história humana: Devemos obedecer antes à lei divina ou à lei dos homens? Antígona sabe que não havia nenhuma lei por parte dos deuses que a impedissem de agir da maneira que agiu, e que somente um capricho de um tirano havia estabelecido que dar sepultura a um morto que não o agradava haveria de ser crime. Antígona não titubeia e escolhe a lei eterna. Ela diz para sua irmã:

“Querida, como sempre fui por ele, com ele repousarei no túmulo…com alguém a quem amava; e meu crime será louvado, pois o tempo que terei para agradar aos mortos, é bem mais longo do que o consagrado aos vivos.”

Antígona faz o sacrifício vendo seu ato como Sub specie aeternitatis, e não teme as ameaças de um tirano que só pode agir sobre o presente. A Creonte não bastaram os avisos vindos de seu filho, do povo e do velho Tirésias para que perdoasse Antígona. Como ele se identifica com o Estado e se julga dono de uma sabedoria superior, ele vai até o fim em seu erro e , no final, termina por pagar um alto preço por ter desafiado a vontade divina.

 

Comments

  1. Adorei, já havia lido o livro a muito tempo e o considero essencial para o estudo das tragédias gregas. Incapaz de refutar os argumentos de Antígona o líder desastrado apreende uma lição: “Palavras altivas, trazem aos altivos castigos atroz”.

  2. Sergio says:

    Ola.. acredito por toda essa mega intelectualidade, poderias melhorar essa sua resenha, ela nos mostra uma historia divina entre deuses e seu mortos e doutrina politica ,e uma obra de arte não deixe morrer o seu drama,, mais esta bem explicado ,,vale-o um abraço

  3. Adorei, mas vejo isto como um resumo e não uma resenha. Abraço

  4. gabriel sarney says:

    preciso de uma critica politica algum mito me ajuda

  5. Maria Isabella says:

    Amei o resumo.Estou estudando para o PAS e esse resumo foi essencial.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: