Evolucionismo, Criacionismo e a Filosofia

Darwin

O debate entre evolucionistas e criacionistas sofre do mesmo problema que os questionamentos entre Direita e Esquerda. Este problema é a tentativa que cada um dos lados pretende que a sua visão de mundo seja exclusivamente correta e que o lado oposto deva ser calado via ação do Estado. No debate entre evolucionistas e criacionistas, nenhum dos lados têm razão .  Evolucionismo é uma teoria científica que muitos de seus defensores alegam que já passou de uma mera teoria para uma ciência comprovada pelos fatos. O criacionismo, por sua vez, pretende que o mundo foi criado por Deus alguns milhares de anos antes de Cristo e que a história literal da Bíblia a respeito da Adão e Eva são fatos reais. Esta versão é mais defendida entre os protestantes. O criacionismo que pretende ser científico é chamado de Design Inteligente, e também é uma criação de protestantes  norte-americanos. Qual é o problema com estas três teorias sobre a criação do homem e que pretendem explicar os fatos da natureza? Pretendo expor uma opinião pessoal do ponto de vista filosófico para demonstrar que os três estão errados em suas alegações, ao menos sobre o que uma maioria que têm acesso à mídia internacional defende.

Evolucionismo é uma teoria, e isto deve ser enfatizado contra aqueles que defendem que a Evolução é um fato demonstrado cientificamente. Como teoria, a Evolução pode e deve ser contestada em suas  muitas alegações que não têm comprovação no mundo real. A teoria pode e deve ser ensinada nas escolas, mas sempre com a ênfase de que é uma teoria e não uma ciência comprovada pelos registros da natureza.

Por sua vez, o criacionismo bíblico e o Design Inteligente não são teorias científicas, portanto não devem ser ensinados em livros de biologia. Acreditar que o mundo e os seres que vivem nele foram criados por Deus é uma tese Metafísica e filosófica que não pode ser comprovada cientificamente em hipótese alguma. O erro dos criacionistas é confundir filosofia e religião com ciência. O evolucionismo pretende ser científico e deve ser ensinado nos livros de biologia porque suas teses são passíveis de serem comprovadas ou não pela ciência. O criacionismo e o Design Inteligente não podem ser comprovados ou refutados, portanto não formam uma tese científica.

Acredito que o Universo e todos os seres vivos foram criados por Deus, mas sei que isso é uma tese filosófica e Metafísica que pode explicar a ordem do mundo sem o auxílio da ciência. No debate entre a Metafísica e o positivismo evolucionistas, a primeira tem se mostrado vencedora até o momento. A história da Criação é narrada como Deus criando o Universo em determinado momento a partir do nada. A ciência demonstrou que o Universo foi criado há bilhões de anos sem que antes nada houvesse. A Metafísica ensina que o Cosmos têm uma ordem matemática criada por uma mente ordenadora, ao passo que o evolucionismo acredita que todo o Cosmos é obra de um mero acaso. Convenhamos que isto é de uma pobreza inacreditável e requer muita “fé” neste suposto acaso, mas cada um acredita no que quer. A Metafísica da Bíblia ensina que Deus criou o Universo, a Terra, todos os seres vivos e, por último, criou o ser humano, que é o ápice da Criação. Os evolucionistas creem nesta mesma ordem da Criação, porém,  não  explicam o porquê da natureza ter criado o ser humano por último. Alegam que foi o “acaso”. Como o positivismo evolucionista não acredita no finalismo, só resta apelar para o famoso “acaso” para explicar a natureza.O evolucionismo também não explica como o inferior gera o superior. A teoria da evolução é uma tentativa de uma filosofia criada por Darwin passar a ser ciência positiva. Todo o problema da evolução cai em uma tese Metafísica e religiosa no final. Se os evolucionistas defenderem que o Universo foi criado por uma matéria original sem a intervenção divina, vão cair no panteísmo por atribuírem à matéria o poder que só Deus possui. Da mesma forma quando dizem que a vida na Terra deve-se a um pequeno ser vivo que surgiu do nada, e que continha dentro do seu ser o potencial para gerar toda uma complexa ordem de seres vivos, estão atribuindo poderes de Deus a um ser vivo original inferior que possuía o poder de gerar o superior, o que é uma contradição. O inferior tem o poder divino e gera o superior no evolucionismo, enquanto na Metafísica o superior gera o inferior e Deus cria todos os seres vivos. Existe entre o Evolucionismo e a Metafísica um abismo que não pode ser conciliado, e os evolucionistas vão sempre cair em um problema religioso e filosófico dos quais não conseguem achar uma solução. Também não creio em um evolucionismo “cristão”, pois sustentar que um ser não racional como um macaco possa ter se transformado em um ser racional como o homem é cair em um problema filosófico dos mais importantes. Dizer que existia o macaco e do dia para a noite Deus criou  um homem-macaco com uma alma que antes não possuía envolve uma contradição da ordem divina, que não pode nunca desejar que um ente seja um ser e o não-ser ao mesmo tempo. Este homem que não é nem homem nem macaco é algo de contraditório. A filosofia reconhece que a diferença entre o homem e os animais é que o primeiro possui uma alma racional, enquanto os animais não possuem este tipo de alma. A ciência nunca poderá comprovar a existência da alma, da mesma forma que apenas pela biologia não podemos ter uma explicação que satisfaça o fato de entre o homem racional e o animal irracional exista um abismo tão grande que,como diz a Bíblia, o homem  será para sempre um objeto de temor e espanto para os animais.Creio que o Evolucionismo não pode ser comprovado por fatores antes de tudo filosóficos e Metafísicos.

Quero acrescentar mais elementos à minha reflexão. O evolucionismo encontra-se até o momento em uma zona extremamente confortável para ele. Isto porque como é considerado uma teoria científica- o que em minha opinião é um erro que deverá ser corrigido mais adiante-, o evolucionismo pode ser comprovado segundo seus defensores. O problema é que o evolucionismo tem uma enorme possibilidade de nunca ser comprovado, mas é certo que nunca será refutado pela ciência. Vamos dar um exemplo: o evolucionismo diz que um ser pode transformar-se em outro completamente diferente por uma ação do “acaso”. O morcego seria um rato que “evoluiu” e virou um animal com asas. Não há nenhuma prova desse acontecimento, o que torna a afirmação da teoria evolucionista em algo gratuita; no entanto, como a ciência pode provar que essa transformação nunca aconteceu? Simplesmente não pode, o que torna a teoria da evolução em algo irrefutável. Nesse caso, o evolucionismo nunca será provado, mas a ciência não poderá descartá-lo. Para que o evolucionismo possa ser debatido e esteja sujeito a uma crítica eficaz, é preciso tirá-lo da categoria de ciência e considerá-lo como uma tese filosófica. Enquanto for “ciência”, não haverá meio de combatê-la,  porque no caso da teoria do design inteligente o erro começa desde o princípio. É certo que toda a natureza, os animais e o homem pressupõem a existência de um Criador. Certo. A ciência, entretanto, nunca vai provar que este Criador existe porque a existência de Deus não pode ser comprovada pela ciência, apenas pela filosofia e a teologia. A Teoria da Evolução deve ser considerada, portanto, como uma tese de filosofia de fundo panteísta, o que é apenas uma maneira de dizer que é ateia, pois panteísmo e ateísmo se confundem, segundo Schopenhauer.  A partir do momento em que o evolucionismo puder ser debatido em termos filosóficos, aí sim haverá uma discussão justa, e os evolucionistas terão que responder às seguintes indagações:

A natureza dessa matéria original era divina, pois tinha em seu núcleo o poder de criar toda a complexa vida na Terra? Esta matéria é Deus?

Como fica o princípio de não-contradição? Como pode um ser e não ser uma coisa ao mesmo tempo? Um homem-macaco é um homem ou um macaco? Como explicar isto em termos filosóficos?

Acreditar que os animais e o homem sofrem transformações implica explicar o porquê de isto acontecer. O que é o acaso? Acreditar no acaso não é ter fé, uma vez que isto dificilmente será explicado?

Como o evolucionismo explica sua tese de que o inferior gere o superior? A Metafísica torna essa alegação impossível, e não vale apelar para o “acaso”.

O evolucionismo alega que o macaco, que não é um ser racional, gerou um ser racional- o homem. De que maneira explicar esse fato sem alegar que a diferença é que o homem tem uma alma racional e o macaco não?

São apenas algumas perguntas. Darwin foi um filósofo antes de tudo. Tentou explicar a origem da vida, mas acabou se metendo em sérias dificuldades em termos Metafísicos. Como ciência, sua teoria é impossível de ser combatida tanto por argumentos religiosos quanto pelos experimentos científicos. Para terminar, a importância da filosofia e do mito devem ser reconhecidas. O aparecimento do Homem na Terra aconteceu em vários pontos do planeta ao mesmo tempo. Uma narrativa mítica poderia explicar este acontecimento, o que seria a história que mais se aproximaria do que aconteceu. Mas sempre seria um mito que não poderia ser provado cientificamente. Defendo que Deus criou os animais e o homem do jeito que eles são sem que houvesse qualquer evolução. Isto é uma tese de filosofia e não ciência. Mas é bela e verdadeira.

O debate deve ser colocado nos seguintes termos: A Teoria da Evolução é isso o que o nome diz, uma teoria que pode ser contestada porque pretende ser uma ciência, e é uma teoria porque ainda não tem comprovação científica. Quanto ao Criacionismo a ao Design Inteligente, estes não podem ser ensinados em livros de Biologia em hipótese alguma porque são teses filosóficas e Metafísicas que não são comprovadas cientificamente, até porque filosofia não é ciência. Estas teses devem ser ensinadas nas aulas de Filosofia. Nunca haverá a comprovação científica de que Deus criou o mundo. Cada um dos lados deve reconhecer que são explicações que devem ser ensinadas aos estudantes sem que o lado oposto reconheça no seu adversário um inimigo que deva ser combatido em nome ou da Ciência ou de Deus.

Comments

  1. Matheus Lança says:

    Amigão seu conceito sobre teoria científica está totalmente equivocado. Sugiro a leitura de Karl Poper e Thomas Kuhn.

    Uma definição científica de teoria é a de que ela é uma síntese aceita de um vasto campo de conhecimento, consistindo-se de hipóteses necessariamente falseáveis – mas não por isto erradas, dúbias ou tão pouco duvidosas – que foram e são permanentemente e devidamente confrontadas entre si e com os fatos científicos, fatos estes que integram um conjunto de evidências que, juntamente com as hipóteses, alicerçam o conceito de teoria científica. As hipóteses, em casos específicos, devido à simplicidade e ampla abrangência, podem ser elevadas ao status de leis.

    Ressalta-se aqui portanto que uma “teoria científica” é o conjunto indissociável dos dois subconjuntos: o subconjunto de fatos naturais, evidências necessariamente verificáveis mas, ao contrário do que muitos pensam, não obrigatoriamente reprodutíveis, e um subconjunto de hipóteses científicas adequadas à descrição destes fatos, de ideias necessariamente falseáveis, testáveis (e testadas) frente às evidências e que, junto àquele, dão corpo ao conceito de teoria científica.

    É comum associar-se o conceito de teoria apenas a uma ou a um conjunto de ideias que tenta prever com alto grau de exatidão os fenômenos da natureza. Em verdade, vários cientistas acabam muitas vezes por aderir a esta conotação. Contudo em ciência o conjunto de fatos faz-se sempre presente e indispensável, e este está, mesmo quando não explicitamente considerado, certamente subentendido. Sempre que observamos algum fato novo que venha a contrariar a teoria vigente, deve-se abandonar as ideias conflitantes e jamais ignorar o fato: modifica-se a teoria, de forma a integrá-los à mesma, fato e novas ideias. Conclui-se que as teorias evoluem em virtude da descoberta de novos fatos, que necessariamente passam a integrar a versão evoluída da mesma.

    Há também de se sublinhar que a ciência, ao buscar uma simplificação da sistematização do conhecimento produzido, divide-se em áreas e mesmo em disciplinas por mera formalidade. A ciência entretanto é única. Há um único conjunto de fatos naturais, sobre o qual as mais variadas teorias científicas válidas se assentam. Apesar de um subconjunto de fatos em particulares ser destacado para integrar determinada teoria, nenhum paradigma válido – nenhuma teoria em vigor – pode conter ideias que contrastem com qualquer dos demais fatos científicos conhecidos, independente da área científica da qual este seja proveniente ou da área na qual este seja (mais) relevante. Se isto ocorrer, a teoria DEVE ser reformulada; esta encontra-se impelida a evoluir. Em outras palavras, citando um exemplo de validade significativa frente ao contexto cultural, as ideias da teoria da termodinâmica e da teoria da evolução, ao contrário do que alguns leigos científicos afirmam, sendo ambas paradigmas válidos hoje, não podem se contradizer e não se contradizem; tão pouco podem contradizer ou contradizem os fatos hoje conhecidos, sejam eles oriundos da física, da química, ou da biologia, ou de qualquer outra cadeira científica.

    • Caro amigo, obrigado pela mensagem.
      Não quis partir nem de Popper nem de Kuhn. O que eu pretendi colocar no meu artigo foi que a Teoria da Evolução faz vários tipos de afirmações que inundam o noticiário científico, mas que ninguém mais exige que sejam provadas. Você diz que as teorias evoluem, e é esse o ponto que gostaria que você me esclarecesse se puder, já que não sei sua formação. O evolucionismo primeiro dizia que as espécies evoluíam em um intervalo de tempo enorme, dessa forma seria fácil achar os fósseis que comprovariam a evolução. Então a teoria estaria certa. Depois surgiu a teoria do equilíbrio pontuado. As espécies fariam sua evolução de maneira rápida, portanto dificilmente achariam-se fósseis que comprovassem este fato. E o evolucionismo estaria certo da mesma forma. O que queria que alguém pudesse me explicar é como provar que as alegações do evolucionismo são falsas. Eu não consigo ver como. São 150 anos das mais diversas teorias de que animais inferiores geram os superiores sem nenhuma prova, o que torna o evolucionismo mais em uma filosofia do que ciência para mim. Homens e macacos segundo a teoria têm um ancestral em comum, mas qual? Se você for formado em uma área de ciências você poderia me explicar como isso acontece. Eu já li sobre isso e não vejo provas, apenas teorias, o que para uma ciência que já está há tanto tempo buscando ser comprovada com milhares de alegações de supostas evoluções é muito tempo. Mantenho, portanto, a tese de que a evolução é mais uma tese de filosofia de que ciência.

  2. Leonardo says:

    O criacionismo trata da “verdade” absoluta e de deus bondoso com o proposito para a humanidade e que a bíblia não deve ser questionada, então, basta ler a bíblia que você ficara frente a todas as suas, irracionalidades, incoerências, insanidades, fantasias, maldades, injustiças, etc… então como esse o os princípios do cristianismo através dos escritos na bíblia pode ser referencia absoluta inquestionável para criação do mundo? e servi de base moral para as pessoas? Por outro lado, a ciência é mais sensata e honesta em dizer ate que ponto foi possível explicar algo, com suas limitações e com o sentido de muito a contribuir.
    Assim, esse pensamento maniqueísta que permeou nossa historia e que nossos antepassados tiveram pagar com suas e vidas e muito sofrimento em prol de liberdades e chegarmos hoje a um tipo de sociedade mais ou menos protegida pelas nossas leis sobre.
    Contudo, o cristianismo através das igrejas em busca de dominação e controle social e manutenção e legitimação do poder , utilizou-se utilizou-se do medo, fraqueza e desconhecimento das pessoas para se legitimar, uma característica comum nos seres humanos é que temos perspectivas sobre a incerteza que permeia o proposito da vida e da natureza,tende-se a acreditar em algo que diminua essa tensão ao ponto de nos sentirmos mais confortáveis, ou seja, o que seria mais aceito e tido como verdade a visão romanceada criacionista de que existe “céu” que estamos em perigo por causa de um inimigo e que precisamos ser “salvos” (salvação) para se ter uma vida “eterna” que basta seguir os princípios cristãos, sem questiona-los e então, será salvo! ou a versão honesta e sincera de que a vida e bela, rara e finita? temos que amadurecer e perceber que não fomos educados para lidarmos facilmente e naturalmente com essas questões, e por causa do medo e incerteza nos deixamos manipular por toda historia.

  3. Juliana says:

    Quero tirar uma duvida…Em uma de suas perguntas no debate acima,você afirma querer a seguinte resposta de um evolucionista:
    ”O evolucionismo alega que o macaco, que não é um ser racional, gerou um ser racional- o homem. De que maneira explicar esse fato sem alegar que a diferença é que o homem tem uma alma racional e o macaco não?”
    ->Eu posso afirmar que o macaco gerou o homem?Porque seguinte muitos,o homem nao originou do macaco,e nem é seu descendente,mas possuem um ascendente comum.

    • Sim, essa é uma tática “esperta” dos evolucionistas. Darwin afirmou claramente que o homem descendia do macaco, mas como não encontrou os fósseis…depois, seus seguidores afirmaram que o homem e o macaco tinham um ancestral comum, que só pode ser um outro macaco, porque outro animal não pode ser.

  4. Juliana says:

    Vou ter um debate na escola,júri simulado,sobre o evolucionismo e criacionismo.Serei a promotora do criacionismo,isto é,defende-lo,fazer perguntas que eu diria ”irrespondiveis” ao advogado do evolucionismo.Quero ajuda,como contextualizado tais perguntas a ponto de nao encontrarem respostas?

    • Sugiro que você faça perguntas em nível filosófico. Use as perguntas que podem ser feitas a partir do meu artigo “Algumas citações de Proclo de Constantinopla contra o Evolucionismo.”

%d blogueiros gostam disto: