Algumas opiniões de Lutero sobre Aristóteles

26173243_1638182562925496_1263544113687068375_o

Aristoteles male reprehendit ac ridet Platonicarum idearum meliorem sua philosophiam.

“Aristóteles refuta muito mal as Ideias platônicas, que são melhores do que sua filosofia.”

Cui per omnia contrarius Aristoteles ridet illa separata et intelligibilia et trahit ad sensilia et singularia penitusque humana et naturalia. Verum id facit astutissime: Primo, quia non potest negare illa individua esse fluxa, finxit aliud formam, aliud materiam, et ita res ut materia non est scibilis, sed ut forma. Ideo dicit formam esse causam sciendi, et hanc vocat “divinum, bonum, appetibile” et huic intellectum tribuit. Et sic eludit omnium mentes, dum eandem rem dupliciter considerat.

“Sendo em tudo contrário às Ideias, Aristóteles ridiculariza as coisas inteligíveis e separadas e as coloca nas coisas sensíveis e separadas, completamente humanas e naturais. Mas ele faz isso muito astutamente.

Primeiro, porque ele não pode negar que o individual está em fluxo, ele inventa uma forma e uma matéria diferente, então a coisa não é conhecida como matéria, mas sim como forma. Portanto, assim ele diz que a forma é a causa do conhecimento, e a isso ele denomina “divino, bom e desejável”, e ele atribui ao intelecto. Então ele frustra toda mente, pois examina a mesma coisa duas vezes.”

Martinho Lutero, Probationes (tradução nossa a partir do original em latim)

“Na vigésima oitava prova da tese da disputa de Heidelberger, Lutero delineia um argumento contra um teorema aristotélico fundamental. Em contraste com a crítica de Lutero à compreensão aristotélica da virtude da justiça, ainda não ganhou ainda a atenção devida. Embora a objeção de Lutero tenha sido percebida e parafraseada, mas não de maneira sistemática, a intenção é examinar a consideração de Lutero, pois Aristóteles, em sua doutrina psicológica, descreve a estrutura ôntica do pecador, que busca suas próprias coisas em tudo. Mas o fato do pecador ser pensado como um homem autoritário está em contradição com a Teologia.”

“A segunda parte, está claro, é toda do filósofo e do teólogo, pois o objeto é a causa do amor, colocando Aristóteles toda a potência da alma passiva para receber o material, e demonstra que a filosofia é contrária à teologia, enquanto em todas as coisas pede aquelas que são suas, e aceita mais do que o bem que contribuiu. “ Lutero

Theodor Dieter, Der junge Luther und Aristoteles (Tradução nossa a partir do original em Alemão/Latim)

“Parece que aquele que deseja coletar todas as coisas de uma só vez está apenas adquirindo para si mesmo o desespero com grandes lamentos, pois ficará cheio de desespero se espera que Deus vai fazer chover boas coisas para ele neste presente momento, mas não depois. E tornar-se-á cheio de infidelidade se não acredita que a Graça Divina não irá, agora e em todos os tempos, cair sobre aqueles que são dignos dela; e será um tolo se pensa que será um guardião competente aquele que coleciona coisas contrárias à vontade de Deus…”

Fílon de Alexandria, The Allegories of the Sacred Laws, after the work of the six days of the Creation (tradução nossa a partir do inglês)

Ethical Aspects of Human Enhancement

Biotechnology-1024x512

 

To create new technologies and develop science to help society deal with some of our deficiencies like crime, or deviance of our personalities like psychopathy is a task that requires philosophy contribution. I will argue that are inconsistencies in a few authors that currently writes about these themes that compromises the results of these ideas. Although I’m personally an enthusiast of technology, a philosophical analyze must be made about the use of new robotic devices or medical techniques to enhance human beings and society. Thinkers that are originating new possibilities for the use of computing science should not only look for the future use of some of the wonderful that humanity might have, but also look back and reflect about philosophical difficulties that are intriguing. [Read more…]

Metaphysical considerations on animal ethics

9780195371963

Μη τα πελωρια μετρα γαιης υπο σην φρενα βαλλου*

Ου γαρ αληθειης φυτον ενι χθονι

Direct not your attention to the immense measures of the earth; for the plant of truth is not in the Earth

 Πατηρ ου φοβον ενθρωσκει, πειθω δ επιχεει.

 The father did not hurl forth fear, but infused persuasion

The Chaldean Oracles

So many philosophers have contributed to enhance the study of animal ethics, but I will argue in this article that it does exist some questions that must be answered. The most important thing to me is that these thinkers don’t take on account the totality of things envolved, in another word, they ignore the whole world and the universe in which humans and animals live together. Without this, we hardly would get some answers why animal ethics does matter. [Read more…]

Resenha: Górgias, de Platão

plato-gorgias

É dramática a posição de Sócrates diante dos sofistas e de um projeto de tirano à la Nietzsche (Cálicles) no diálogo platônico Górgias. Ali estão projetadas questões de extrema importância como o valor da retórica como ciência, da justiça, do estado de exceção e da incapacidade de o homem justo lutar, neste mundo, contra a opressão dos maus. Só resta a Sócrates apelar, no final do diálogo, para o julgamento do mundo dos mortos para que a justiça seja restabelecida. [Read more…]

Resenha: O Nome da Rosa, de Umberto Eco

850108140X_Qo

O século XIV representou uma época de revoluções no pensamento e na tecnologia. Os óculos, o relógio mecânico e o uso militar mais disseminado da pólvora são daquele período. Na filosofia, após séculos de debates sobre a questão dos Universais, o Nominalismo tornar-se-ia dominante. Muito do destino da ciência moderna foi estabelecido a partir das ideias de Guilherme de Ockham. O romance de Umberto Eco, O Nome da Rosa, é a grande referência literária sobre um século tão catastrófico e inovador. [Read more…]

Resenha: Político, de Platão

alexander-the-great-copy

Um dos grandes momentos da filosofia de Platão é a busca por uma definição do sofista, do político e do filósofo. Platão jamais escreveu um diálogo chamado de Filósofo, isso porque a definição de filósofo está já contida dentro do diálogo Sofista. No Político, o grande filósofo ateniense deseja ter um entendimento a quem caberia a arte de governar, o que permite uma articulação com seu diálogo A República. [Read more…]

Sobre a filosofia de Aristóteles segundo Werner Jaeger

cuddeback2

Devemos reconhecer que existe algo de extraordinário ao lermos o Aristóteles de Werner Jaeger (como também as interpretações neoplatônicas do Estagirita): vermo-nos livres de abordagens dogmáticas e mistificadoras de apologistas católicos (jesuítas, tomistas e neotomistas)! [Read more…]

O princípio de individuação na tradição platônica e aristotélica

Platão busto

Um dos temas mais fascinantes em filosofia é a questão do princípio de individuação. Nesse artigo, vou abordar como cinco filósofos enfrentaram esse problema e suas respectivas soluções. São eles: Platão, Aristóteles, Proclo, Tomás de Aquino e Duns Scotus.

Pretendo começar por Aristóteles e São Tomás, porque os dois possuem uma opinião parecida e contrária à de Platão, Proclo e Duns Scotus. [Read more…]

Aristóteles e o conhecimento Metafísico e do mundo real

Aristotle

Kant negava o valor da Metafísica dizendo que qualquer conhecimento do noumenon (a coisa-em-si) era impossível, pois o nosso intelecto só estaria apto a reconhecer e compreender os objetos do mundo fenomênico. Descartes era da opinião de que nossos sentidos nos enganam muitas vezes e que, portanto, a única certeza que teríamos seria subjetiva. Ora, lendo o Comentário à Metafísica de Aristóteles escrito por São Tomás, ali existe um capítulo que fala da dificuldade de adquirirmos um conhecimento do mundo e dos objetos.

Podemos ler com clareza qual era a opinião de Aristóteles e que,São Tomás, por sua vez, acrescenta alguns detalhes. Diz Aristóteles que ninguém pode alcançar a verdade Metafísica de todas as coisas sozinhas, mas que os homens unidos podem, cada qual com sua contribuição, ajudarem a formar um mosaico com pequenas verdades do todo.

São Tomás faz um comentário a respeito de o porquê os homens terem opiniões e conceitos diferentes sobre o mundo e os objetos. Fazendo um paralelo com o mundo atual e a notícia curiosa sobre o vestido e sua real aparência, que foi uma das grandes discussões desses dias, vemos que o Aquinate faria uma objeção ao pensamento cartesiano de que os sentidos nos enganam. Lendo a notícia sobre o vestido e sua cor, aparentemente Descartes teria razão de dizer que são os nossos sentidos que estão nos enganando, por causa de que cada um vê uma cor diferente no vestido. São Tomás, explicando o pensamento aristotélico, vai nos dizer que o problema não está em nossos sentidos e nem necessariamente no objeto em si- apesar de que objeto pode ter alguma imperfeição-, mas sim em nosso intelecto. [Read more…]

Review: Aristotle’s Nicomachean Ethics

Aristotle

When I passed to  have interest in philosophy, this was one of the first books that I read, beside  the Confessions of Saint Augustine. The Nicomachean Ethics is one of the basis of our civilization and was much used by Thomas Aquinas in his Summa Theologica.

[Read more…]