Uma perspectiva metafísica sobre o aborto e a embriologia

Forms- souls- and embryos_Wilberding.

 

“Andas triste por algo que tristeza não merece – e tuas palavras carecem de sabedoria. O sábio, porém, não se entristece com nada, nem por causa dos mortos nem por causa dos vivos.”

“Nunca houve tempo em que eu não existisse, nem tu, nem algum desses príncipes – nem jamais haverá tempo em que algum de nós deixe de existir em seu Ser real.”

“O verdadeiro Ser vive sempre. Assim como a alma incorporada experimenta infância, maturidade e velhice dentro do mesmo corpo, assim passa também de corpo a corpo – sabem os iluminados e não se entristecem.”

Bhagavad-Gîtâ

Um dos temas mais desafiadores para quem lida com Bioética é a questão do aborto, que envolve o status moral do feto, uma abordagem às vezes metafísica da embriologia, e que nos leva a muitas polêmicas entre ciência e religião. Recentemente, através da leitura da obra de James Wilberding Formas, Souls and Embryos, fiquei fascinado por como os neoplatônicos entendiam o desenvolvimento do embrião humano. O autor fez um trabalho excelente em fornecer dados pouco acessíveis para um tema bastante atual, e com isso ajudou muito em ampliar o nosso campo de visão sobre o tema. É claro que os neoplatônicos possuíam um ponto-de-vista inteiramente metafísico sobre a embriologia, o que não poderia ser diferente, haja visto os meios precários ou inexistentes que havia na época. [Read more…]

Anúncios

Platão e o neoplatonismo contra o evolucionismo de Darwin

 

proclus-chart-2-thomas-m-johnson

 

car c’est de la que tout commence à tendre vers ici-bas ses rayons admirables, de là que jaillit la generation de la matière avec ses formes varièes et multiples

Porque é a partir de lá que começa a tender para aqui abaixo seus raios admiráveis, daí a geração da matéria com suas formas variadas e múltiplas.

Oráculos Caldeus

O célebre Eriképaios, que carrega Métis, a semente dos Deuses.

Orphica

 

O filósofo platônico inglês Thomas Taylor definiu bem o perigo da “ciência apegada excessivamente à experiência, que afasta a mente da especulação da essência, lançando o espírito em nada além do reino da matéria escura e deformada, o reino da ilusão e do não-Ser” (1801, p.152).

Este alerta de Taylor funciona muito bem para a pretensa ciência do Evolucionismo darwinista. Poucas teorias causaram tanto impacto, e ao mesmo tempo, diante de sua incrível ambição, que vai muito além da “ciência”, mas atravessa também questões morais, filosóficas e religiosas, possui tão poucas evidências de sua validade e é terrivelmente mal explicada. [Read more…]