Resenha: Ordem e Progresso, de Gilberto Freyre

Ordem-e-Progresso

Com cerca de 1000 páginas, Ordem e Progresso, de Gilberto Freyre, é uma obra com tamanho e qualidade suficientes para situar o leitor dentro do Brasil do final do Império e início da República. Temos a série que começa com Casa Grande & Senzala, depois segue com Sobrados e Mucambos, tendo Ordem e Progresso como conclusão, já que Jazigos e Covas Rasas não chegou a ser escrito pelo grande sociólogo brasileiro. [Read more…]

Anúncios

Resenha: Turbilhão, de Coelho Neto

51fiDhOEJNL

Coelho Neto é um escritor há muito tempo pouco conhecido e divulgado, porque foi tido já em seu tempo como ultrapassado. Em Turbilhão, os méritos do autor tornam-se evidentes pela excelente qualidade da escrita. É um romance muito agradável de se ler, apesar de que considero que o final poderia ter sido melhor. Não é difícil entender, porém, o porquê de Coelho Neto ter sido muito combatido, pois o tipo de vocabulário que o mesmo usa é bem pouco usual, mas que também não chega a ser dos mais complexos. Trata-se de uma linguagem muito culta, pouco acessível já em tempo, e mais ainda no nosso, haja visto o pouco hábito de leitura do povo em geral; no entanto, apesar dessas dificuldades, acredito que o estilo de Coelho Neto funciona perfeitamente no romance. O autor é classificado como impressionista, dando ênfase às sensações, luzes, estado da alma- que ele emprega realmente várias vezes no livro. [Read more…]

Resenha: Assim falou Zaratustra, de Friedrich Nietzsche

5601072406797

Zaratustra grita, entre montanhas e vales, em um tom grandioso: “eu vos anuncio o super-homem!” As consequências destas palavras poderosas estão vivas ao longo do tempo. Zaratustra é uma mistura de filósofo pré-socrático com profeta bíblico. A principal obra de Nietzsche é um grito desesperado de uma civilização perdida em termos religiosos, metafísicos e morais. A história problemática da religião cristã na Europa produziu Zaratustra. Deus e seus mandamentos, o sentido histórico, a impossibilidade da metafísica a partir de Kant, as ciências, o Darwinismo, todos são responsáveis pela crise que Zaratustra pretende solucionar. Se Nietzsche estava correto em sua obra, que mistura poesia, filosofia em um tom bombástico, que não aprecio muito, semelhante ao de Santo Agostinho em sua Cidade de Deus, esta pequena análise pretende fornecer alguns elementos.

[Read more…]

Resenha: O Jogo da Amarelinha, de Julio Cortázar

livro_BipSM1

Um livro com múltiplas possibilidades de interpretação, O Jogo da Amarelinha, do grande escritor argentino Julio Cortázar, é uma das grandes obras da literatura latino-americana. Lembrou-me levemente de O Aleph, de Jorge Luis Borges, por seu estilo de histórias fora de ordem e que surgem ao acaso. Apesar de considerar este livro de Cortázar bastante desafiador, o que para mim é sempre estimulante, nem de longe é comparável a uma obra de James Joyce. [Read more…]

Resenha: A Relíquia, de Eça de Queiroz

eca-de-queiros-a-reliquia

O grande escritor português Eça de Queiroz, que considero superior a Machado de Assis, foi bastante polêmico e ousado em seu romance A Relíquia. Em sua época, muito influenciado pela obra de Ernest Renan “Vida de Jesus”, que recriava a narrativa do Evangelho sem os aspectos sobrenaturais, a obra de Eça de Queiroz serviria de base também para outro escritor português, José Saramago, em seu livro “O Evangelho segundo Jesus Cristo”. A Relíquia denuncia uma sociedade falsamente religiosa, no qual o parecer ser é mais importante do que ser. [Read more…]

Resenha: João Goulart- Uma Biografia, de Jorge Ferreira

965997

Com o país vivendo uma crise política e econômica sem precedentes, pois julgo que nem em 1964 o sistema político, a imprensa, o judiciário e a população como um todo desceram a um nível tão baixo, estudarmos a história política de alguns de nossos maiores líderes políticos do século XX foi revelador. Tanto a biografia de Getúlio Vargas escrita por Lira Neto quanto a de João Goulart, de autoria de Jorge Ferreira, revelaram incríveis semelhanças com o estado atual do Brasil. A crise política vivida por Goulart teve sua origem no período Vargas, e ele não soube como reverter o processo de radicalização alimentado pela Direita e por uma imprensa irresponsável; da mesma forma que o governo Dilma Rousseff foi incapaz de administrar um sentimento de revolta que vinha desde o início de seu governo. A diferença é que Goulart foi um político muito mais hábil e menos ingênuo que Dilma. [Read more…]

Resenha: Sagarana, de João Guimarães Rosa

fdfdf

Sagarana é o romance inaugural de Guimarães Rosa publicado em 1946, dez anos antes de Grande Sertão: Veredas. Nos diversos contos que fazem parte do livro, Rosa reproduz a linguagem do homem simples do sertão brasileiro, mas com a característica incomum em escritores brasileiros de tentar alcançar o universal, ou seja, de falar de temas presentes no espírito da humanidade em qualquer canto do mundo. [Read more…]

Resenha: Recordações do escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto

recordacoes-do-escrivao-isaias

Lima Barreto foi um dos nossos grandes escritores, e sua obra pode ser considerada extremamente atual para os nossos dias. De linguagem simples, sem pedantismos, Lima Barreto sempre denunciou duas coisas que são verdadeiras pragas da vida do brasileiro: o racismo e a mediocridade. [Read more…]

Resenha: Là-bas, de Joris-Karl Huysmans

la-bas-by-jk-huysmans

Resenha escrita a partir da edição original em francês.

Pouco conhecido no Brasil, o escritor francês Jori-Karl Huysmans colocou na forma de romance sua descida pessoal aos subterrâneos não somente da sociedade francesa do século XIX, mas também da própria alma humana. O romance Là-bas reproduz o tema do satanismo e sua presença em um mundo moderno já tomado pelo Positivismo. Aliás, o século XIX foi o século otimista e racionalista por natureza, mas a presença de algumas trevas da Idade Média ainda se faziam presentes. [Read more…]

Resenha: The Destruction of Reason, de György Lukács

1523494

O historiador de origem húngara John Lukacs, compatriota do filósofo György Lukács, em seu livro O Hitler da História, afirma que The Destruction of Reason é o livro mais fraco do filósofo húngaro de inegável talento. O historiador Lukacs é confessadamente conservador, ao contrário do filósofo Lukács, que foi um dos grandes intelectuais do marxismo. Não conheço em toda sua extensão a obra do filósofo marxista, mas, comparando The Destruction of Reason com os outros livros de Lukács, creio que ele está dentro do mesmo nível tanto em seus erros como em suas verdades. [Read more…]