A filosofia platônica de Gemisto Plethon

26196322_1376374789140790_912595534810628925_n

Jorge Gemisto  Γεώργιος Γεμιστός (1355/1452), filósofo bizantino da Renascença, depois chamado de Plethon Πλήθων, em homenagem à sua imensa admiração por Platão, é uma grata surpresa na história da filosofia. Mesmo com o poderoso exército otomano diante dos portões de Constantinopla quis, nada mais nada menos, reviver a antiga religião grega e recusou o Cristianismo. Defendeu abertamente a superioridade da filosofia de Platão sobre a de Aristóteles e considerava que o Cristianismo era a principal causa da decadência do Império. [Read more…]

Anúncios

Resenha: O Nome da Rosa, de Umberto Eco

850108140X_Qo

O século XIV representou uma época de revoluções no pensamento e na tecnologia. Os óculos, o relógio mecânico e o uso militar mais disseminado da pólvora são daquele período. Na filosofia, após séculos de debates sobre a questão dos Universais, o Nominalismo tornar-se-ia dominante. Muito do destino da ciência moderna foi estabelecido a partir das ideias de Guilherme de Ockham. O romance de Umberto Eco, O Nome da Rosa, é a grande referência literária sobre um século tão catastrófico e inovador. [Read more…]

Sobre o gnosticismo de Paulo e o problema do Mal

23467353_1327060540738882_308429278176423017_o

 

O que liberta é o conhecimento de quem nós fomos, e em quê nos tornamos; onde estávamos, e onde fomos lançados; para onde nós caminhamos, e de onde seremos redimidos; o que é o nascimento, e o que é renascer.”

Valentino (100-160)

 

Estas sábias palavras resumem bem o espírito gnóstico. Muito mais do que uma religião organizada, até porque suas origens são bastante confusas e dispersas, os gnósticos representam uma tentativa de responder ao mistério da existência do mal no mundo. Se a filosofia nasce do espanto, como diz Platão, pensar sobre o enorme sofrimento das criaturas que habitam este planeta não é algo menos importante. Os gnósticos souberam evitar a armadilha de alguns sofismas como negar a existência do mal, vendo-o como simples ausência de bem, ou de lançar a culpa de tudo de ruim que acontece no mundo nas costas do ser humano. Talvez o gnosticismo tenha nascido mais de uma intuição, de um sentimento de que alguma coisa estava, e está errada, no mundo. [Read more…]

Resenha: Timeu, de Platão

a_mach_space_eclipsepath_170124

 

“Um, dois, três, porém o quarto Timeu, o último dos que ontem festejei aqui, e que me convidaram, onde está?”

Εἷς͵ δύο͵ τρεῖς· ὁ δὲ δὴ τέταρτος ἡμῖν͵ ὦ φίλε Τίμαιε͵ ποῦ τῶν χθὲς μὲν δαιτυμόνων͵ τὰ νῦν δὲ ἑστιατόρων

As palavras iniciais deste que é um dos diálogos mais inspiradores de Platão têm um significado muito maior e misterioso do que aparenta como veremos.

O universo de Platão é uma verdadeira obra da bondade Divina que o governa com sua providência, e cuja face está sendo sempre renovada; no entanto, é difícil de ser encontrado, e mais difícil ainda é comunica-Lo aos seres humanos. Não importa muito se Platão acreditava literalmente no Mito que coloca na boca do pitagórico Timeu. Como ele mesmo escreve, vai produzir um discurso verossímil, e invoca o deus para que do seu relato saia a verdade. [Read more…]

Resenha: a República, de Platão

teach_greece

 

Somos como seres que tateiam no escuro durante a noite, quando não há mais o Sol, debatendo uns com os outros a respeito de sombras que passam diante de nossas vistas como em um relâmpago. A caverna seria o mundo, e os prisioneiros todos nós se não fizermos a verdadeira conversão de nossa vista e de nosso corpo para a luz do Sol, o filho do Bem, pois assim vemos que possuímos uma visão clara. Toda a República de Platão é um grande esforço para elevar-nos à verdadeira ciência da dialética, das hipóteses e ao domínio do Inteligível. Além disso, Platão faz neste diálogo uma apresentação de seu projeto educacional que está articulado com sua visão teológica. [Read more…]

Resenha: Político, de Platão

alexander-the-great-copy

Um dos grandes momentos da filosofia de Platão é a busca por uma definição do sofista, do político e do filósofo. Platão jamais escreveu um diálogo chamado de Filósofo, isso porque a definição de filósofo está já contida dentro do diálogo Sofista. No Político, o grande filósofo ateniense deseja ter um entendimento a quem caberia a arte de governar, o que permite uma articulação com seu diálogo A República. [Read more…]

Aspectos da ciência e da educação em Platão

22450152_1305379399573663_1954251053807708479_n

Os diálogos platônicos Protágoras, Sofista e Teeteto são referências fundamentais para compreendermos o modo como Platão entendia a ciência. Há milênios eles nos ensinam a melhor maneira de procuramos o avanço da ciência e do conhecimento, e nos servem de aviso sobre como não fazer ciência, uma vez que dois dos grandes obstáculos que o filósofo enfrenta são: uma “ciência” produzida por uma indução feita a partir dos dados dos sentidos, e o discurso, ou retórica, do sofista sobre o não-ser, que nada mais é do que uma aparência de sabedoria. [Read more…]

Filosofia e economia: a construção da negentropia

new+2

 

O presente artigo procura estabelecer uma ligação entre os pensamentos de Nicolau de Cusa e Karl Marx. O elo de ligação entre os dois seria o espírito neoplatônico de produção da negentropia ( que é a negação da entropia) para a construção de uma sociedade e de uma economia que fizessem brotar no ser humano todas as suas capacidades. O trabalho é o elemento fundamental para a criação da negentropia. Foi feita uma abordagem sobre aspectos econômicos e metafísicos. [Read more…]

Uma reflexão atual a partir de um poema de W. H. Auden

auden29

Man is changed by his living; but not fast enough. His concern to- day is for that which yesterday did not occur.

W.H.Auden, Selected Poems.

O grande poeta inglês Auden soube de maneira extraordinária, como todo gênio poético, colocar em versos os dramas do século XX. Faz-se necessário, mais do que nunca, que apareça algum poeta que saiba (especialmente no Brasil) captar nossas desgraças que, se não matam os corpos na escala do século XX, destroem nossas almas, nossa cultura e nosso futuro.

Auden possui um poema que é exemplar para que possamos exprimir nosso sentimento atual: chama-se  September 1, 1939, sobre a Segunda Guerra. Reproduzo-o a seguir: [Read more…]

Resenha: Ordem e Progresso, de Gilberto Freyre

Ordem-e-Progresso

Com cerca de 1000 páginas, Ordem e Progresso, de Gilberto Freyre, é uma obra com tamanho e qualidade suficientes para situar o leitor dentro do Brasil do final do Império e início da República. Temos a série que começa com Casa Grande & Senzala, depois segue com Sobrados e Mucambos, tendo Ordem e Progresso como conclusão, já que Jazigos e Covas Rasas não chegou a ser escrito pelo grande sociólogo brasileiro. [Read more…]